sábado, 19 de maio de 2018

ALMANAQUE





Tudo estava perdido. A casa, a família, as relíquias, até sua memória.
No quartinho do asilo onde vivia restava-lhe apenas aquele almanaque encardido que ela não largava nunca, nem permitia que ninguém pusesse as mãos nele. 












terça-feira, 23 de janeiro de 2018

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

VARIAÇÕES DO POEMA






























VARIAÇÕES DO POEMA


O poema é uma pedra
que pulsa

é uma árvore nascendo
na cabeça do poeta

é uma concha fechada

pode conter uma pérola
ou não

abra a concha
e descubra









terça-feira, 19 de setembro de 2017

terça-feira, 22 de agosto de 2017